PRODÍGIOS DE UM ADOLESCENTE – SONHOS AZUIS E CORAÇÃO

Por Jorge Rizzini

Foi em 1930, antes da revolução de Getúlio Vargas que Herculano Pires publicou seu primeiro livro. Uma coletânea de cinco pequenos contos. O título não podia ser outro: Sonhos Azuis. Herculano Pires tinha, tão somente, dezesseis anos de idade incompletos…

Deixemos que ele próprio rememore o fato com o carinho especial que todo o livro de estreia merece:

“O livrinho fora composto por mim; à noite, após o expediente da tipografia, debruçava-me nas caixas de tipos, componidor em punho, eu fazia rodar a pequena impressora Bünhaëdsia, imprimindo os meus contos. Eram composições simples, românticas, de uma ingenuidade adolescente. Jornais e revistas do Rio e São Paulo, porém, registraram benevolamente o seu aparecimento, o que me encheu de alegria. O farmacêutico Otávio Araujo Ribeiro escrevera o prefácio. De Avaré, o prof. José Leonel Ferreira me enviou o estímulo amigo dos seus parabéns.”

E Herculano Pires nos conta este detalhe curioso e, até mesmo, tocante:

“Poucos volumes foram vendidos. A maior parte da pequenina edição foi distribuída a amigos, parentes, jornais e revistas. Dois anos depois, antes de aparecer o meu segundo livro, numa tarde de sol, a glória me visitou na pessoa de uma professorinha rural. Queria uns livrinhos para distribuir como presente aos alunos de sua escolinha. E arrematou os trinta e poucos exemplares que estavam na prateleira. Não sou capaz de lembrar em que sítio ou fazenda funcionava a escolinha. Mais tarde, escrevi um conto a respeito, que foi publicado pela revista carioca O Malho. Meu livrinho servira para alegrar as crianças, numa festinha escolar. Que maior glória poderia desejar um escritor incipiente?”

Com a publicação de Sonhos Azuis Herculano Pires ficara conhecido na região Sorocabana como “o menino escritor”. E esse menino-prodígio — prova inegável da reencarnação — tinha na gaveta boa quantidade de crônicas, contos e noveletas. Parte desse material foi publicado no jornal O Porvir e, depois, na forma de opúsculo que oferecia aos amigos e conhecidos. É o caso de O Sonho das Vagas, poema em prosa escrito em janeiro de 1930 (Herculano tinha quinze anos de idade), Cidades Vivas, Cabo Velho e Cia., Nhô Chico Bananeiro e O Serenista.

Segundo livro de Herculano Pires. Tinha ele 18 anos de idade.

O segundo livro de Herculano Pires veio à luz em 1932, quando tinha dezoito anos de idade – dois anos depois de Sonhos Azuis, tendo ele feito já o serviço militar obrigatório. Como o primeiro livro, o segundo fora composto na tipografia da Casa Ipiranga, impresso e encadernado pelo autor. Seu título: Coração. Livro de sonetos e poemas, o prefácio trazia uma dedicatória misteriosa: “A Lola de Oliveira e aos Meus.” Lola… Essa figura feminina, certamente uma espanhola, quem seria? Quarenta anos depois Herculano revelaria:

 

“Quem era essa figura feminina que merecera aparecer na dedicatória? Alguma namorada? Não. Era uma escritora e poetisa pobre, autora do livro Rubis, que passara duas vezes por Cerqueira César vendendo os seus livros de porta em porta. Já velhusca, percorria assim o interior, para ganhar a vida com a sua produção literária. Emocionara-me a sua pobreza, a sua simplicidade, a sua dedicação às letras. Guardo até hoje os seus livros, com carinho. Num deles, há uma referência ao rapazinho poeta de Cerqueira César.”

A imprensa de São Paulo como a do Rio de Janeiro registrara o lançamento de Coração. O conhecido crítico santista, Álvaro Augusto Lopes, no jornal A Tribuna de Santos, escreveu que o verso de Herculano Pires era “ágil e correntio”. A revista A Cigarra, de São Paulo, transmitiu a seus leitores que os versos de Coração eram bons e que o poeta “é moço e tem talento”. A redação da revista satírica O Malho, do Rio de Janeiro, observou que os versos de Herculano Pires “são de rara simplicidade e harmonia” e o jornal O Estado de S. Paulo viu no livro “uma linda promessa literária, cem páginas de versos, mais poesia do que versos”. O Correio Paulistano, por sua vez, foi peremptório: “Há uma maestria particular na feitura do verso, que o ouro da imaginação polvilha agradavelmente”.

 

A Espiritualidade, atenta, observava os movimentos do jovem escritor e poeta. A título de curiosidade ofereçamos aos leitores um soneto inserido em Sonhos Azuis, que é a comprovação de tudo o que transcrevemos sobre os versos do então adolescente Herculano Pires:

Eu gosto muito desses cães vadios,

Magros e tristes, de olhos embaçados,

Que vão nas ruas, pobres e erradios,

Aqui e ali, por todos, açoitados.

 

Eu gosto desses cães. Aos ventos frios

Das noites de luar, uivam, coitados!

Lançando ao céu olhares luzidios

E enrodilhando os membros nus pesteados.

 

Eu gosto desses cães. Magros, famintos,

Como esqueletos de outros cães extintos,

Ironias da vida e da matéria,

 

Arrastam pela vida, humildemente,

Resignados como pouca gente,

Sua vida de fome e de miséria.

Share
  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS