Monthly Archives: September 2014

Estudio de los Sentimientos: Individualizacion e Individualismo

“INDIVIDUALIZACIÓN e INDIVIDUALISMO”,

Tema de alta importancia para conseguir elevar nuestro grado de satisfacción personal y auto-amor. En el Hospital Esperanza, coordinado por Elripedes Barsanulfo en el Mundo Espiritual, tal como aquí en la Tierra 
entre dolientes terminales, búsquedas revelan que uno de los 5 top arrepentimientos de los individuos fue el de no haber vivido una vida genuinamente “propia”, o sea, de acuerdo con sus deseos, sueños, y valores personales (al contrario de vivir en función de los preceptos e valores sugeridos por el mundo exterior, como las comunidades, la sociedad, etc). 

Vivir de acuerdo con nuestros verdaderos sentimientos es esencial para lograr nuestros objetivos en esta encarnación. Nuestros valores determinan nuestros comportamientos, y nuestras acciones agregan 
experiencias y valores a nuestro espíritu. Nadie podrá ser feliz no le siendo posible vivir su propia vida y no ejerciendo sus valores. Esto es como ejercer el libre-arbedrio en favor de algo que no queremos o no creemos. 

Share
  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

PRODÍGIOS DE UM ADOLESCENTE – SONHOS AZUIS E CORAÇÃO

Jorge Rizzini

 

Foi em 1930, antes da revolução de Getúlio Vargas que Herculano Pires publicou seu primeiro livro. Uma coletânea de cinco pequenos contos. O título não podia ser outro: Sonhos Azuis. Herculano Pires tinha, tão somente, dezesseis anos de idade incompletos…

Deixemos que ele próprio rememore o fato com o carinho especial que todo o livro de estreia merece:

“O livrinho fora composto por mim; à noite, após o expediente da tipografia, debruçava-me nas caixas de tipos, componidor em punho, eu fazia rodar a pequena impressora Bünhaëdsia, imprimindo os meus contos. Eram composições simples, românticas, de uma ingenuidade adolescente. Jornais e revistas do Rio e São Paulo, porém, registraram benevolamente o seu aparecimento, o que me encheu de alegria. O farmacêutico Otávio Araujo Ribeiro escrevera o prefácio. De Avaré, o prof. José Leonel Ferreira me enviou o estímulo amigo dos seus parabéns.”

E Herculano Pires nos conta este detalhe curioso e, até mesmo, tocante:

“Poucos volumes foram vendidos. A maior parte da pequenina edição foi distribuída a amigos, parentes, jornais e revistas. Dois anos depois, antes de aparecer o meu segundo livro, numa tarde de sol, a glória me visitou na pessoa de uma professorinha rural. Queria uns livrinhos para distribuir como presente aos alunos de sua escolinha. E arrematou os trinta e poucos exemplares que estavam na prateleira. Não sou capaz de lembrar em que sítio ou fazenda funcionava a escolinha. Mais tarde, escrevi um conto a respeito, que foi publicado pela revista carioca O Malho. Meu livrinho servira para alegrar as crianças, numa festinha escolar. Que maior glória poderia desejar um escritor incipiente?”

Com a publicação de Sonhos Azuis Herculano Pires ficara conhecido na região Sorocabana como “o menino escritor”. E esse menino-prodígio — prova inegável da reencarnação — tinha na gaveta boa quantidade de crônicas, contos e noveletas. Parte desse material foi publicado no jornal O Porvir e, depois, na forma de opúsculo que oferecia aos amigos e conhecidos. É o caso de O Sonho das Vagas, poema em prosa escrito em janeiro de 1930 (Herculano tinha quinze anos de idade), Cidades Vivas, Cabo Velho e Cia., Nhô Chico Bananeiro e O Serenista.

Segundo livro de Herculano Pires. Tinha ele 18 anos de idade.

O segundo livro de Herculano Pires veio à luz em 1932, quando tinha dezoito anos de idade – dois anos depois deSonhos Azuis, tendo ele feito já o serviço militar obrigatório. Como o primeiro livro, o segundo fora composto na tipografia da Casa Ipiranga, impresso e encadernado pelo autor. Seu título: Coração. Livro de sonetos e poemas, o prefácio trazia uma dedicatória misteriosa: “A Lola de Oliveira e aos Meus.” Lola… Essa figura feminina, certamente uma espanhola, quem seria? Quarenta anos depois Herculano revelaria:

“Quem era essa figura feminina que merecera aparecer na dedicatória? Alguma namorada? Não. Era uma escritora e poetisa pobre, autora do livro Rubis, que passara duas vezes por Cerqueira César vendendo os seus livros de porta em porta. Já velhusca, percorria assim o interior, para ganhar a vida com a sua produção literária. Emocionara-me a sua pobreza, a sua simplicidade, a sua dedicação às letras. Guardo até hoje os seus livros, com carinho. Num deles, há uma referência ao rapazinho poeta de Cerqueira César.”

A imprensa de São Paulo como a do Rio de Janeiro registrara o lançamento de Coração. O conhecido crítico santista, Álvaro Augusto Lopes, no jornal A Tribuna de Santos, escreveu que o verso de Herculano Pires era “ágil e correntio”. A revista A Cigarra, de São Paulo, transmitiu a seus leitores que os versos de Coração eram bons e que o poeta “é moço e tem talento”. A redação da revista satírica O Malho, do Rio de Janeiro, observou que os versos de Herculano Pires “são de rara simplicidade e harmonia” e o jornal O Estado de S. Paulo viu no livro “uma linda promessa literária, cem páginas de versos, mais poesia do que versos”. O Correio Paulistano, por sua vez, foi peremptório: “Há uma maestria particular na feitura do verso, que o ouro da imaginação polvilha agradavelmente”.

A Espiritualidade, atenta, observava os movimentos do jovem escritor e poeta. A título de curiosidade ofereçamos aos leitores um soneto inserido em Sonhos Azuis, que é a comprovação de tudo o que transcrevemos sobre os versos do então adolescente Herculano Pires:

Eu gosto muito desses cães vadios,

Magros e tristes, de olhos embaçados,

Que vão nas ruas, pobres e erradios,

Aqui e ali, por todos, açoitados.

 

Eu gosto desses cães. Aos ventos frios

Das noites de luar, uivam, coitados!

Lançando ao céu olhares luzidios

E enrodilhando os membros nus pesteados.

 

Eu gosto desses cães. Magros, famintos,

Como esqueletos de outros cães extintos,

Ironias da vida e da matéria,

 

Arrastam pela vida, humildemente,

Resignados como pouca gente,

Sua vida de fome e de miséria.

http://www.herculanopires.org.br/apostolo-abertura/50-sonhosazuis

Share
  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS